Dieta Para Emagrecer e Sua Saúde

 

Uma das questões que estão ha um bom tempo em evidência são as dietas. O objetivo deste post nao é dar alguma receita milagrosa de como perder peso mas tentar fazer uma análise de quanto essa ditas “dietas milagrosas” interferem ou nao em sua saude como um todo.

Nas últimas décadas, o Brasil vem passando por mudanças econômicas, políticas, sociais e culturais que determinam alteração nos padrões demográficos, epidemiológicos e nos hábitos alimentares da população. Dessa forma, o País, que na década de 60 ainda sofria combatendo a desnutrição, passou a enfrentar também o problema da obesidade a partir da década de 90.

Além do sobrepeso e da obesidade, a falta de atividade física e os hábitos alimentares inadequados são responsáveis pelo aumento das dislipidemias (problemas de colesterol), estando associados a uma maior prevalência de doenças. Por sua vez, hábitos alimentares são influenciados por fatores socioeconômicos e, em especial, por fatores culturais que influenciam o aprendizado sobre o quê, com quem, quando e quanto se deve comer. Assim, expressam o estilo de vida, as crenças e os tabus dos grupos sociais.

Com isso cresceu uma industria que fatura bilhoes ao ano que é a industria do emagrecimento. Formulas magicas, dietas milagrosas, promessas e produtos que afirmam fazer até o impossivel do ponto de vista fisiologico. Mas o que poucas pessoas entendem que somos seres unicos e individuais e muitas coisas biologicamente falando deve ser tratada de forma individual. E quando se trata de sua saude mais ainda, pois o tratamento que foi bom para seu vizinho que quer dizer que vai ser bom para voce. E com as dietas nao é diferente.

dieta emagrecer

A palavra “indivíduo” é definida como “a pessoa humana, considerada em suas características particulares”. Isso significa que, apesar da raça em comum, possuímos, sem exceção, diferenças físicas e biológicas. Assim, o termo “gêmeos idênticos” não pode ser considerado literalmente e o correto seria “gêmeos quase idênticos”. Mas o que faz com que cada pessoa seja como é? Muitos fatores podem explicar as características individuais:

■ Genética: é o verdadeiro “documento de identidade” do ser humano.

■ Metabolismo: abrange o funcionamento de todos os órgãos e seus componentes, desde uma única célula ao corpo humano por inteiro.

■ Meio ambiente: inclui aspectos como a cultura, educação, relações interpessoais, etc.

■ Estilo de vida: hábitos alimentares, atividade física, tabagismo, alcoolismo, entre outros. Tanto a obesidade quanto a desnutrição podem estar relacionadas com um ou vários desses fatores.

Obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo excesso de gordura corporal, que causa prejuízos à saúde do indivíduo. A obesidade coincide com um aumento de peso, mas nem todo aumento de peso está relacionado à obesidade, a exemplo de muitos atletas, que são “pesados” devido à massa muscular e não adiposa.

Causas da obesidade ou aumento do peso

As pessoas engordam por quatro motivos: comem muito, têm gasto calórico dimimuído, acumulam gorduras mais facilmente ou têm mais dificuldade de queimá-las. O gasto calórico significa a queima de energia que uma pessoa apresenta durante as 24 horas do dia e isso inclui o gasto calórico com a alimentação (energia gasta nos processos de digestão, absorção e transporte de nutrientes) e com a atividade física.  

A capacidade de transformar calorias em gorduras varia de indivíduo para indivíduo e isso explica porque duas pessoas com o mesmo peso e altura, que comem os mesmos alimentos, podem fazer gordura com menor ou maior eficiência e esta última é que tenderá a ser gorda. A habilidade de queimar gorduras também varia de pessoa para pessoa. Podemos queimar as calorias do nosso organismo a partir das gorduras do tecido adiposo, das proteínas dos músculos e do glicogênio do fígado, entre outros.

Como-perder-Barriga

O indivíduo apresentará menor tendência de engordar e maior capacidade de emagrecer quanto maior for a sua capacidade de queimar as gorduras. Todas essas condições ocorrem não apenas por mecanismos orgâ- nicos, mas, em especial, por fatores genéticos. Fatores genéticos Crianças de pais obesos apresentam maior risco de se tornarem obesas quando comparadas às crianças cujos pais apresentam peso normal.

Tanto o excesso de apetite quanto a pouca saciedade podem ser explicados por fatores genéticos. A queima ineficiente de gordura também pode estar relacionada à leptina ou, ainda, a outros componentes orgânicos, como hormônios, enzimas, receptores etc. A distribuição da gordura corporal em uma região ou outra do corpo tem a ver com o sexo, mas também resulta de fatores genéticos e ambientais.

No entanto, é bem verdade que, em muitos casos, os exageros na alimentação são os responsáveis pelos quilos a mais. Maus hábitos alimentares também ajudam a engordar, tais como:

■ Não ter horários fixos para comer, ou seja, “beliscar” a toda hora. A pessoa perde o controle da quantidade que comeu e acaba comendo muito, sem nem perceber.

■ Exagerar no consumo de alimentos gordurosos, como frituras, manteigas, óleos, doces cremosos, chocolates etc.

■ Fazer “dietas da moda”, responsáveis pelo efeito ioiô, isto é, o “emagrece-e-engorda” dos que fazem esses tipos de dieta (veja mais detalhes no item dietas da moda).

■ Ficar longos períodos em jejum. A fome e o apetite aumentam e a pessoa acaba comendo mais.

■ Fazer poucas refeições durante o dia e em grandes volumes. O volume do estômago pode aumentar e também a quantidade de alimentos que a pessoa consegue comer.

■ Dieta desequilibrada, onde predominam alimentos muito calóricos e de fácil acesso (cereais, óleo, açúcar) à população mais carente.

■ Redução do tamanho da família, aumentando a disponibilidade de alimentos na casa.

■ Melhora da infra-estrutura básica, elevando a expectativa de vida da população. Com isso, o peso da população aumenta, já que o percentual de gordura é maior com a idade.

■ Estrutura demográfica: as pessoas se concentram mais nas cidades, onde gastam menos energia, têm acesso a variados tipos de alimentos (principalmente industrializados) e possuem maior expectativa de vida.

Perigo! Dietas da Moda 

Nossa sociedade se preocupa demais com o corpo e os padrões de beleza e não faltam dietas para o controle de peso. Mas isso não significa dizer que todas essas dietas são boas para a saúde, PELO CONTRÁRIO! As chamadas “dietas da moda” são geralmente dietas restritas em um ou vários tipos de nutrientes, ou seja, são nutricionalmente desequilibradas.

Podem causar muitos danos à saúde: diminuição do rendimento físico, sobrecarga do organismo, deficiências nutricionais, desidratação, desmaios, problemas cardíacos e outras doenças. Uma dieta com alimentos nutritivos em quantidades controladas é a alternativa ideal para quem deseja controlar o peso com saúde. Com as dietas da moda, a pessoa consegue uma perda de peso passageira, pois acaba tendo uma alimentação tão fora de seus padrões que, ao retornar à “vida normal”, volta a comer os tipos e a quantidade dos alimentos que a fizeram aumentar de peso.

Muitos insistem em fazer essas dietas “exóticas” influenciadas pela propaganda, especialmente na televisão, e por artistas e pessoas com corpos esculturais. A rápida perda de peso decorrente de dietas desequilibradas também incentiva o desejo de emagrecer a qualquer preço. O problema é que, nesses casos, trata-se de uma perda de água e músculo e não propriamente de gordura. Além disso, dietas muito restritivas e com pouquíssimas calorias podem provocar graves distúrbios alimentares, como anorexia nervosa e bulimia.

O melhor caminho para controlar o peso continua sendo a reeducação alimentar através de uma dieta equilibrada, elaborada e orientada por um profissional capacitado. Tal dieta deve ser acompanhada da prática regular de atividade física. É preciso ter sempre em mente que não existem poções mágicas para emagrecer, ou seja, até hoje não se provou que as dietas populares ou da moda tenham alguma vantagem em relação a uma dieta bem balanceada. Nenhuma “mistura mágica” garante uma perda de peso mais efetiva do que uma dieta reduzida em calorias e equilibrada. Além disso, cada pessoa tem necessidades nutricionais e calóricas diferentes e cada caso deve ser analisado individualmente por um nutricionista.

Podemos concluir que dieta para emagrecer deve sempre ser avaliada com muito criterio e acompanhada por um profissional qualificado.

Tenha um dia fantastico!!!

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta